Caixa de distribuição elétrica

A caixa de distribuição, é um dos componentes mais importantes da sua instalação elétrica, onde estão os dispositivos de disjuntores e DRs.

Caixa de distribuição elétrica
Caixa ou quadro de distribuição elétrica

Dispositivos de proteção

Numa instalação elétrica, a proteção é essencial para evitar acidentes como incêndios ou choques elétricos. Confira abaixo os dispositivos mais comuns para proteção dos circuitos numa instalação residencial.

IDR – Interruptor Diferencial Residual

Esse tipo de dispositivo serve principalmente para evitar choques elétricos ou o desgaste de equipamentos pela corrente de fuga. Ele funciona com um sensor que detecta a fuga da corrente, e “desarma”, ou seja, interrompe o circuito em que está ligado nas situações em que essa corrente ultrapassa seu valor nominal. Uma corrente de fuga ocorre quando uma parte da corrente que entra no circuito se perde em sua trajetória, podendo ser desviada graças a um choque elétrico ou por falta de isolação.

Numa residência, em geral utiliza-se IDR com sensibilidade de 30mA, recomendada para proteger contra o choque elétrico.

IDR’s com sensibilidade superior a essa são usados para proteger o patrimônio, úteis em indústrias. É importante destacar que esse dispositivo não detecta curto-circuito, sendo necessário um disjuntor para complementar a segurança.

Levando em conta que um IDR chega a custar centenas de reais, a norma NBR 5410 permite usar um único dispositivo como proteção geral contra a fuga de corrente, atuando diretamente nos condutores fase e no neutro da entrada, reduzindo assim o custo da instalação. O projeto, no entanto, deve ser bem executado, pois falhas na isolação podem levar a desarmar esse dispositivo, desligando toda a instalação elétrica desnecessariamente, o que pode ser um transtorno para o consumidor.

DRM – Disjuntor termo magnético

Como o nome sugere, esse dispositivo monitora a temperatura do condutor em que está ligado, e caso ultrapasse seu valor nominal, ele interrompe o circuito no qual está instalado. É usado na proteção contra curto-circuito, pois caso ocorra contato entre uma fase e um neutro ou entre fases, a corrente que flui nos condutores é muito alta e passa a aquecer a fiação. A ausência de disjuntores, nesse caso, pode levar de danos à instalação elétrica até incêndios domésticos

Instalação de caixa de distribuição

Confie á Energibell, a manutenção de sua instalação elétrica, quer no comércio, indústria ou residência.

Cuidado com a energia elétrica

O projeto de uma instalação elétrica residencial deve obedecer a ABNT NBR 5410:2004 – Instalações elétricas de baixa tensão.

Associação Brasileira de Normas Tecnicas
Associação Brasileira de Normas Técnicas – NBR

Instalação de disjuntores

Nessa norma existem definições como a do circuito que vai para a cozinha, o que vai ao banheiro, o que sugue para a sala e quartos, entre outros. O chuveiro elétrico, por exemplo, pede uma instalação absolutamente específica, com disjuntores diferenciais, para evitar que o usuário sofra um choque.

Um quadro de distribuição de entrada de eletricidade de uma residência tem circuitos dedicados para cada parte e há uma razão: evitar situações como a de ligar o chuveiro e desligar a casa.

Responsabilidade pelos serviços elétricos

O principal responsável pela segurança do consumidor é o construtor ou instalador de energia.

Qualificação e Certificação de Pessoas

A ABNT tem uma comissão de estudo focada na formação dessa mão-de-obra, a ABNT/CEE-90 de Qualificação e Certificação de Pessoas no Processo Construtivo para Edificações.

Contrate a Energibell, sua melhor opção em serviços de manutenção elétrica

Tapete isolante |Classes de isolação NR 10

O tapete isolante deve apresentar capacidade de isolamento elétrico perfeitamente de acordo com a classe de tensão utilizada.

Classes de tapetes isolantes
Classes – Tapetes para isolação elétrica

Sobra a obrigatoriedade

Sua utilização é obrigatória em cabines de força – cabine primária, cabine secundária – e subestações. Centro de controle de motores (CCM) e painéis/quadros elétricos também são locais onde o uso preventivo do piso é requerido.

A Norma Regulamentadora de Segurança em Instalações e Serviços de Eletricidade (NR-10), institui o uso de piso isolante em áreas sujeitas a risco de descargas elétricas. À obrigatoriedade de uso de EPI (Equipamento de Proteção Individual), como luva, sapato e vara de manobra se acrescenta a utilização de EPC (Equipamento de Proteção Coletiva), representado pelo Tapete Isolante Elétrico.

Nível de voltagem

A especificação fundamental da Norma estabelece que qualquer equipamento de proteção deva ser compatível com o nível de voltagem máxima de operação. Neste caso específico, o tapete isolante necessita apresentar capacidade de isolação elétrica perfeitamente de acordo com a classe de tensão utilizada.

Teste de isolação e laudo assinado

Além deste importante requisito, é exigido teste de isolação (rigidez dielétrica) acompanhado de laudo, assinado por laboratório especializado em ensaios elétricos e com prazo de validade de 1 ano.

Custo benefício

A opção pelo tapete como piso isolante apresenta três vantagens básicas:

  • Custo menor comparado com outras soluções.
  • Um rolo de tapete pode atingir até 20m de comprimento e 2m de largura, dependendo da espessura.
  • Única alternativa com altíssima capacidade de isolação- até 70kv.

 

Setor Elétrico Industrial

No setor elétrico industrial, a tensão, os circuitos e os fios elétricos são pontos de atenção, pois funcionam com voltagens e amperagens superiores.

Elétrica industrial, o setor da economia que faz o país andar.
Elétrica Industrial

O eletricista industrial, é responsável pela elaboração de pequenos projetos, manutenções, execução de instalações, elaboração de propostas comerciais e vistoria das instalações. É o profissional extremamente necessário para o funcionamento do ambiente.

Devido ao risco de trabalhar com alta voltagem, o eletricista industrial precisa ter conhecimentos técnicos específicos, além de grande atenção e concentração.

A coordenação motora e organização para lidar com ferramentas específicas e com a fiação também é muito importante e a consciência de suas responsabilidades, mais ainda. 

Um eletricista industrial precisa estar ciente de suas responsabilidades para com a segurança alheia e pessoal. Por isso, não pode ser autoconfiante demais, achando que nada, nunca dará errado. Trabalhar com EPIs, conforme Normas regulamentadoras, já é um bom princípio de segurança, com qualidade.

Para seguir nessa carreira, o indivíduo precisa ser qualificado tecnicamente. Existem lugares que oferecem o curso de eletricista industrial, como o SENAI, que ensina a instalar e manter sistemas elétricos industriais, de acordo com normas técnicas, regulamentadoras, ambientais e de segurança vigentes.

Os alunos do curso de Eletricista de Instalação e Manutenção Industrial adquirem, como principais competências, planejar serviços elétricos, realizar instalações elétricas industriais, montar e reparar instalações elétricas e equipamentos auxiliares em residências, estabelecimentos industriais, comerciais e de serviços.

Se precisar de profissionais capacitados para manutenção elétrica industrial, em sua empresa; conte a mão de obra especializada dos nossos colaboradores. Energibell sempre perto de você.

Dois tipos de cabos de rede

O cabo coaxial permite transmitir dados em até 10 Megabits por segundo (Mbps). O par trançado é composto por 4 pares de cabos que são entrelaçados entre si.

Cabos de rede

cabo coaxial, geralmente é usado pelos provedores de internet para conectar a rede local da casa com a internet. É aquele cabo que liga no seu roteador.

Esse foi um dos primeiros cabos utilizados em redes locais. Como ele permite frequências muito elevadas, este cabo também é muito usado para transmissão de imagens para a televisão.

Apesar de conseguir alcançar grandes distâncias sem a necessidade de replicar o sinal, quando utilizamos esse tipo de cabo para montar redes locais, temos alguns problemas.

Quando utilizamos o cabo coaxial, nossa rede fica em uma topologia chamada de Barramento. Essa topologia funciona, basicamente, assim:

Todos os computadores da rede são conectados a um cabo principal. Quando um computador da rede se comunica, todos os outros esperam para poder falar. Caso dois computadores se comuniquem ao mesmo tempo, ocorre uma colisão e os pacotes precisam ser retransmitidos.

Logo, em redes com muitos computadores, isso se torna um problema, pois um computador sempre precisa esperar o outro para poder se comunicar, o que provoca atrasos no envio de pacotes.

Já o cabo de par trançado é muito utilizado em redes locais, recebe este nome, pois é composto por quatro pares de cabos que são entrelaçados entre si. Isso faz com que esse cabo sofra menos interferências eletromagnéticas.

Esse cabo, ao contrário do coaxial, pode ser usado em topologias onde todas as máquinas se comuniquem ao mesmo tempo. E também conseguem ser utilizados para ligar equipamentos de redes, como hubs e switches.

Todo cabo de rede utiliza um conector. O cabo coaxial, por exemplo, utiliza um conector chamado de BNC. Já os cabos de par trançado utilizam um conector chamado de RJ-45:

Os cabos de rede de par trançado devem sempre transmitir os dados nos pinos um e dois, e recebê-los nos pinos três e seis no conector Rj-45

Tipos de isoladores elétricos

Os Isolantes são materiais que podem economizar elétrons e que resistem ao fluxo dos mesmos. Ex: Plástico (resinas), Silicone, Borracha.

Cabos isolante elétricos

O isolador elétrico mais utilizado nos sistemas elétricos são os fabricados com porcelana vitrificada e vidro temperado, devido às propriedades: mecânicas e elétricas; preços reduzidos dessas matérias-primas; a fabricação simples e a elevada rigidez dielétrica. Ele pode ser fabricado também com Resina Epóxi, TVE e também o Premix.

Alguns dos materiais citados, oferecem maior resistência e durabilidade conforme especificação técnica do equipamento onde será instalado.

Sabemos também, que os isoladores são os elementos mais vulneráveis das linhas e redes elétricas de distribuição. Por isso, as concessionárias investem na conscientização das populações, no intuito de coibir as ações de vandalismo que danificam os isoladores, que provocam interrupções da energia elétrica e custos de manutenções corretivas.

Outros fatores relevantes são as inspeções e as lavagens periódicas dos isoladores utilizados na distribuição de energia elétricas principalmente, nos ambientes sob poluição industrial ou com atmosfera muito salina com objetivo de minimizar as interrupções provocadas pelas correntes de fuga.

Rigidez dielétrica = alta resistência à passagem da corrente elétrica da parte energizada para terra.

Correntes de fuga = passagem da corrente elétrica pelo isolador devido às sujeiras ou danos estruturais.

Um isolador elétrico, também conhecido como dielétrico, é um material cujas cargas elétricas não conseguem se mover livremente.

O isolador elétrico pode ser separado de acordo com sua rigidez dielétrica, uma propriedade que influencia na tensão elétrica máxima que pode ser aplicada entre as extremidades do isolante sem se romper. Vidro, borracha e óleos são exemplos de isolantes elétricos.

ISOLADOR ELÉTRICO DE BAIXA TENSÃO

Os Isoladores Paralelos ou Cilíndricos são fabricados em Premix, um composto de resina Poliéster reforçada com fibra de vidro, na cor padrão laranja. Eventualmente podem ser fornecidos em outras cores. Os Insertos são fabricados em latão com rocas métricas e Withwort e também podem ser fornecidos com roscas especiais.

  • Material Auto Extinguível;
  • Elevada Rigidez Dielétrica;
  • Ótima Resistência ao Arco;
  • Excelente Resistência a Tração;
  • Alta Resistência a Compressão.

ISOLADORES EM EPÓXI

Os Isoladores fabricados em resina epóxi com cargas minerais na cor marrom para baixa e média tensão são utilizados como suporte de barramento em quadros, disjuntores, seccionadoras e também em outras diversas aplicações onde temos a necessidade de valores mecânicos com alta resistência à flexão e excelente resistência a tração e compressão, além de elevada rigidez dielétrica. Estes isoladores são construídos para:

  • Tensão Nominal de 1KV; 3KV; 7,2KV; 12KV; 15KV; 17,5KV; 24KV e 36KV;
  • As roscas internas são feitas de latão no sistema métrico e em outras execuções;
  • Fabricação de peças especiais sob desenho.

Contrate os serviços da Energibell Engenharia Elétrica e fique tranquilo no quesito segurança em sua empresa.

Potencia elétrica

O que é potência elétrica? É a medida do trabalho realizado por uma unidade de tempo. A unidade de potência internacional de medidas é o watt (W).

Potencia elétrica

potência elétrica é uma grandeza e, como tal, pode ser medida. A unidade de medida da potência elétrica é o watt, simbolizado pela letra W. Logo um watt (1W) corresponde à potência desenvolvida no tempo de um segundo em uma carga, alimentada por uma tensão de 1V, na qual circula uma corrente de 1A.

Potência elétrica em corrente contínua

Ao passar por uma carga instalada em um circuito, a corrente elétrica produz, entre outros efeitos, calor, luz e movimento. Esses efeitos são denominados de trabalho. O trabalho de transformação de energia elétrica em outra forma de energia é realizado pelo consumidor ou pela carga. Ao transformar a energia elétrica, o consumidor realiza um trabalho elétrico.

Potência Elétrica em Corrente Alternada

Quando se trata de circuitos de Corrente Alternada com cargas indutivas e/ou capacitivas, ocorre uma defasagem entre tensão e corrente. O que nos leva a considerar três tipos de potência:

  1. Potência Ativa (P)

Potência Ativa é a potência que realmente realiza trabalho no sistema

  • Potência Reativa (Q)

Potência Reativa é a potência desperdiçada pelo sistema

  1. Potência Aparente (S)

Potência Aparente é a Potência total que o sistema retira da rede de alimentação

Conheça os 4 principais tipos de geradores de energia elétrica

Entendemos que todo dispositivo cuja finalidade é produzir energia elétrica à custa de energia mecânica, constitui uma máquina geradora de energia elétrica. Os 4 principais tipos de geradores de energia elétrica, são: Gerador mecânico, Gerador luminoso, Gerador químico e Gerador térmico.

GERADOR TÉRMICO

Geradores térmicos são os tipos de geradores de energia capazes de converter energia diretamente através do calor, ao invés de converter as consequências do calor em outro tipo de energia. No caso de muitos geradores mecânicos, a queima de combustível gera calor que transforma um fluido em vapor, que irá movimentar as turbinas e ativar o gerador. No caso de um gerador térmico, a ação não passa pelo processo indireto, usando o próprio calor como forma de geração.

GERADOR QUÍMICO

O gerador químico é aquele capaz de converter a energia gerada em reações químicas em energia elétrica utilizável em aparelhos. Ele armazena os elementos necessários para a reação, que geralmente são ativados por algum contato externo, como a ligação que completa o ciclo entre os lados positivo e negativo.

Pilhas e baterias são os tipos mais comuns de geradores químicos. Geralmente, não são utilizados como fontes de energia para consumos de alta potência ou tensão, pois a tecnologia de armazenamento energético em grande escala ainda é muito cara e pouco explorada. No entanto, é uma técnica bastante difundida para inúmeras utilizações em escala menor.

GERADOR LUMINOSO

Um gerador luminoso é aquele que utiliza um semicondutor – ou material semelhante – para captar a irradiação solar e converter em energia elétrica utilizável em equipamentos comuns. Geralmente, o material em questão é o silício, que possui um alto valor de mercado, encarecendo a fabricação deste tipo de gerador.

A vantagem dos geradores luminosos é não possuir custos para a matéria prima, que é a irradiação solar, e a facilidade de implantação das placas solares, que podem ser colocadas até mesmo em residências pequenas para produzir energia durante os períodos de irradiação.

GERADOR MECÂNICO

O gerador mecânico é o tipo mais comum, eficiente e variado entre todos os tipos de geradores de energia do mercado. Eles utilizam energia mecânica para ativar o gerador, e produzir energia elétrica.

A fonte desta energia mecânica pode ser extremamente variada. Pode funcionar através de combustão, com combustíveis fósseis ou orgânicos, de forças externas, como é o caso do vento ou da água, ou de fluidos aquecidos, cujo vapor gera o movimento mecânico necessário para a atividade.

No que se refere ao quão poluente ou renovável é a energia utilizada em geradores mecânicos, a questão depende quase que exclusivamente da fonte da energia mecânica. A geração mecânica pode ocorrer a partir do vento, que não gera absolutamente nenhuma emissão, ou através da queima de combustíveis fósseis, que é altamente poluente.

INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO EM GERADORES – ENERGIBELL

Serviços de manutenção em Geradores e Transformadores Industriais. Excelência em projetos e execuções eletromecânicas. Contrate nossos serviços.

Elementos básicos de um circuito elétrico simples

Os elementos fundamentais num circuito elétrico simples, podem ser classificados em:
1- Fonte de energia, 2- Fio condutor e 3- Receptor ou resistor.

Grandezas elétricas - Circuito fechado e circuito aberto
Figura exemplo de circuito fechado e circuito aberto
  • Fonte geradora de energia (gerador), que se expressa através da grandeza física tensão, medida em volts;

Obs.: O volt (símbolo: V ou KV se estiver em kilo) é a unidade de tensão elétrica (ou diferença de potencial elétrico) do Sistema Internacional de Unidades. O plural do nome da unidade é volts. O volt é o potencial de transmissão de energia, em joules, por carga elétrica, em coulombs, entre dois pontos distintos no espaço.

  • Fio condutor, por onde flui a intensidade de corrente elétrica, medida em ampères.

Obs.: O ampere ou ampère é a unidade de medida da corrente elétrica no Sistema Internacional de Unidades. O nome é uma homenagem ao físico francês André-Marie Ampère. Um ampere equivale a um coulomb por segundo; e

  • Receptor ou resistor, que tem a grandeza física resistência, expressa em ohms.

Obs.: Ohms são a relação entre a tensão de um volt e uma corrente de ampère. Um elemento condutor ou isolante, que tenha uma resistência elétrica de 1ohm, provocará uma queda de tensão de 1 volt a cada 1 ampère que passar por ele.

O ômio, ómio ou ohm, cujo símbolo é Ω e respectivos plurais são “ômios”, “ómios” e “ohms”, é a unidade de medida da resistência elétrica, padronizada pelo Sistema Internacional de Unidades. Corresponde à relação entre a tensão e uma corrente sobre um elemento, seja ele um condutor ou isolante.

Paquímetro – O que é e para que serve?

Paquímetro é um instrumento usado para medir com precisão as dimensões de pequenos objetos. Trata-se de uma régua graduada, com encosto fixo, sobre a qual desliza um cursor. O paquímetro possui dois bicos de medição, sendo um ligado à escala e o outro ao cursor.

Um paquímetro detalhado

Para que serve um paquímetro?

Com um paquímetro podemos medir diversos objetos, tais como: parafusos, porcas, tubos, entre outros. Para realizar tal medição basta aproximar o objeto do bico superior e deslizar o cursor até que a peça fique justa

Existem diversos modelos de paquímetros, porém o paquímetro universal é o mais utilizado entre todos os modelos disponíveis no mercado. Serve para realizar medições internas, externas, de profundidade e de ressaltos.

Como usar o paquímetro

Para ser usado de forma correta, o paquímetro precisa:

  • Ter seu cursor e encosto limpos e a peça a ser medida precisa estar bem posicionada entre seus bicos;
  • Não expor o instrumento a luz solar direta;
  • Não desmontar o equipamento;
  • Evitar choques ou movimentos bruscos;
  • Evitar um aperto forte dos bicos sobre o objeto que será medido.

Curiosidades sobre o paquímetro – Energibell Engenharia Elétrica